quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Estou em casa sozinha, em silêncio. Só o teclar no computador, a falar no messenger com a minha irmã.
Gritos, coisas a cair, mais gritos, gatos esganiçados, coisas a partirem-se - na escada do prédio. A minha vizinha e os sete gatos e dois cães num convívio nem sempre amigável. Salto da cadeira porque apesar da constante da gritaria - Baaaaaaaaaaatman, Mikééééé ... - tanto estardalhaço não é comum. Pode ter acontecido alguma coisa.
A voz de um homem, o meu vizinho a antecipar-se a mim.
Olá está bom, não ligue que isto são eles que de vez em quando lhes dá um ginete de loucura. Diz ela. Não sei se não se dá conta que o ginete é dela. O cheiro a comida de animais é dela, a sujeira na escada é dela. A solidão deu-lhe para isto, rodeou-se de animais gordos e pedintes, leva os dias a gritar e a ralhar com todos. Eles saem para a rua e entram em casa conforme ela os expulsa para logo a seguir andar pela rua aos gritos a chamá-los. Nunca a vi ser carinhosa com nenhum. Distrai-se assim da solidão, da velhice, do nada para fazer. Sete gatos e dois cães velhos são os únicos que a aturam.

3 comentários:

La Sevilhana disse...

Deve ser triste...

fd disse...

Cada um engana a solidão conforme consegue, para não se aperceber que a está a enganar, às vezes.

I disse...

e mais triste ainda quando quero dormir e tenho que a ouvir aos berros a chamar aquilo tudo.

acerca da menina