quinta-feira, 24 de junho de 2010

Quinze semanas

"... com o cérebro confiante impregnado de hormonas optimistas, um dos truques da evolução para fazer aquela criança transpor a primeira barreira."

McEWAN, Ian, "Solar"

No meu caso a tal confiança e optimismo renovado fazem com que me sinta no direito de odiar toda a gente. Porque estou muito bem sozinha contra o resto do mundo. Aliás estou muito melhor porque eu é que sei tudo.
Sei mais até do que o meu obstetra porque o corpo é meu e o facto dele praticar a especialidade há trinta anos não lhe dá autoridade nenhuma no que a mim diz respeito.

E quando acabo de odiar todo o mundo começo também a perder a paciência comigo. Sempre enjoadinha. Ai que agora tenho tanta fome, faço um lanche de três cerejas e ai que agora estou tão cheia. Ai que não suporto abrir a porta do frigorífico, tenho que ir à rua, ai que não posso nem ver coentros leve-me já esta salada daqui por favor.
Este carnaval de duas em duas horas? E a merda dos enjôos não parava aos três meses?
Dasss

3 comentários:

fd disse...

Pelo menos estás consciente do processo. Não é que sirva de muito porque as hormonas continuam a mandar. Aproveita o estado de graça para seres “animalesca” à vontade. Todos serão condescendentes contigo. O que ainda servirá para te irritares mais :) Até por aqui… Desculpa, não resisti ;)

Coisas Boas disse...

Depois de te ler...acabei por concluir...que só podias ser uma gravida assim...
O que te salva é que te conheço desde o tempo que eras uma carocha...e és linda de morrer...mesmo rabugenta e de mal com o mundo!
Beijo linda!!!

I disse...

Tão querida... Convém dizer que não odeio nenhuma das minhas amigas. Nem a minha irmã.

Mas isso vocês sabem. :)

acerca da menina